16 de agosto de 2022 13:10

Lula ameniza repressão em Cuba: “Essas coisas acontecem no mundo inteiro”

Terra Brasil Notícias

Em uma longa entrevista concedida ao jornal espanhol El País, o ex-presidente Lula relativizou os protestos ocorridos em Cuba contra o governo em Havana. Ao ser questionado sobre a repressão policial às manifestações, o petista disse “que essas coisas acontecem no mundo inteiro” e fez uma comparação com os efeitos do bloqueio norte-americano à ilha durante a pandemia de Covid-19.

As jornalistas Pepa Bueno e Lucía Abellán questionaram Lula sobre qual seria o diagnóstico dele sobre o fato de as eleições na Nicarágua não terem sido reconhecidas pela comunidade internacional. O petista respondeu que era contra a candidatura de Daniel Ortega, assim como já tinha sido contra as tentativas de Evo Morales e Hugo Chávez de conquistarem um novo mandato. A informação é da Gazeta do Povo.

“Posso ser contra, mas não posso interferir nas decisões de um povo. Por que Angela Merkel pode ficar 16 anos no poder, e Daniel Ortega não? Por que Margaret Thatcher pode ficar 12 anos no poder, e Chávez não? Por que Felipe González pôde ficar 14 anos no poder?”, questionou o petista.

Ao ser confrontado com o fato de que Ortega mandou prender seus opositores, ao contrário de Merkel e do espanhol González, Lula disse que não pode julgar o que aconteceu na Nicarágua. “Eu fui preso no Brasil. Não sei o que essas pessoas fizeram. Só sei que eu não fiz nada”.

Depois da eleição de Ortega, o PT publicou em seu site oficial uma nota na qual parabenizava a recondução do ditador e saudava a grande manifestação “popular e democrática deste país irmão”. Depois de ter recebido uma série de críticas, a deputada federal Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, alegou que o texto “não foi submetido à direção partidária – a nota foi então apagada.

“Essas coisas acontecem no mundo inteiro”

Perguntado se a proibição das manifestações em Cuba também seriam também um caso de limitação de direitos na América Latina, o petista relativizou a repressão praticada pelo ditador Miguel Mario Díaz-Canel Bermúdez.

“Essas coisas não acontecem só em Cuba, mas no mundo inteiro. A polícia bate em muita gente, é violenta. É engraçado porque a gente reclama de uma decisão que evitou os protestos em Cuba, mas não reclama que os cubanos estavam preparados para dar a vacina e não tinham seringas, e os americanos não permitiam a entrada de seringas. Eu acho que as pessoas têm o direito de protestar, da mesma forma que no Brasil. Mas precisamos parar de condenar Cuba e condenar um pouco mais o bloqueio dos Estados Unidos”, disse Lula ao El País.

As jornalistas questionaram o petista se não seria possível fazer ambas as coisas, condenar o bloqueio norte-americano e pedir liberdade aos opositores nas ruas, ao mesmo tempo. Lula respondeu com outra pergunta.

“Quem decide a liberdade de Cuba se não o povo cubano? O problema da democracia em Cuba não será resolvido instigando os opositores a criar problemas para o Governo. Será conquistada quando o bloqueio acabar”, afirmou.

Receba Informações na Palma da Sua Mão

Está gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on print
Print