16 de agosto de 2022 12:59

STF tem maioria para reduzir ICMS sobre energia nos Estados a partir de 2024: impacto seria de R$ 26,7 bilhões

Terra Brasil Notícias

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) formou maioria nesta quinta-feira (16) para decidir que os efeitos de uma decisão da própria Corte que reduziu o ICMS sobre energia e telecomunicações nos Estados valerá somente a partir de 2024. A modulação é uma vitória para os governadores, que alegavam perdas bilionárias imediatas caso a mudança valesse já para o próximo ano.

Todos os 7 ministros que já votaram acompanharam o relator, Dias Toffoli. Por se tratar de uma modulação, eram necessários 8 votos para formar maioria. O julgamento se encerra às 23h59 de sexta-feira (17).

Em seu voto, Toffoli afirmou que governadores informaram sobre os impactos em cada Estado e a diferença entre eles. Por exemplo, Roraima calcula perdas de R$ 19 milhões enquanto São Paulo estima em R$ 3,5 bilhões.

A proposta de Toffoli é que os efeitos vigorem a partir do exercício financeiro de 2024, o 1º do Plano Plurianual 2024-2027. O julgamento está sendo realizado desde sexta-feira (10) no plenário virtual, plataforma em que não há discussão entre os ministros. No sábado, o Ministro Gilmar Mendes havia concordado com Toffoli e afirmou que é “imperiosa” a restrição dos efeitos da decisão até o Plano Plurianual 2024-2027.

“Há inegável interesse social na adoção de solução temporal que contemple a realização de transição orçamentária pelos gestores estaduais, assegurando que as políticas públicas e especialmente o enfrentamento da pandemia de Covid-19 não restem prejudicados”, afirmou o decano.

Os ministros Nunes Marques e Alexandre de Moraes seguiram o relator no início da semana. Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e Roberto Barroso também também votaram com Toffoli nesta 4ª feira (15.dez). Cármen Lúcia deu o voto que formou a maioria.

O julgamento ainda pode ser suspenso caso algum ministro peça vista (mais tempo de análise) ou destaque, que levaria a discussão às sessões presenciais do STF.

O resultado até o momento agrada governadores. No início deste mês, representantes de 22 Estados e do Distrito Federal se reuniram com Toffoli, Moraes e Gilmar Mendes para discutir uma solução para o caso. Pelos termos do STF, a cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) superior a 17% é inconstitucional.

Alguns Estados, porém, recolhiam uma alíquota superior, como é o caso de Santa Catarina (25%) e poderiam ser atingidos caso a redução valesse já para 2022.

Os governos estaduais afirmam que a decisão do Supremo teria um impacto fiscal de R$ 26,7 bilhões em perdas anuais.

Créditos: Poder 360.

Receba Informações na Palma da Sua Mão

Está gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on print
Print