14 de julho de 2024 10:20

País aprova lei que prevê pena de morte para LGBTs

Foto: Abubaker Lubowa/REUTERS

Terra Brasil Notícias

O parlamento de Uganda aprovou na terça-feira um dos projetos de lei anti-LGBTQ mais rígidos do mundo, praticamente inalterado, incluindo abertura para longas penas de prisão e até mesmo pena de morte.

O novo projeto de lei mantém a maioria das medidas mais duras da legislação adotada em março, que gerou respostas negativas dos Estados Unidos, União Europeia, Nações Unidas e grandes corporações.

As provisões mantidas no novo projeto de lei permitem a pena de morte nos casos da chamada “homossexualidade agravada”, um termo que o governo usa para descrever ações que incluem fazer sexo gay quando soropositivo.

A lei permite uma sentença de 20 anos para quem “promover a homossexualidade”, o que, segundo ativistas, pode criminalizar qualquer defesa dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e cidadãos queer.

A legislação agora volta para o presidente Yoweri Museveni, que pode assiná-la, vetá-la ou devolvê-la novamente ao parlamento.

A legislação foi alterada para estipular que apenas se identificar como LGBTQ não é crime. Também revisou uma medida que obrigava as pessoas a denunciar atividades homossexuais para exigir denúncia apenas quando uma criança está envolvida. As infomrações são do G1.

Receba Informações na Palma da Sua Mão

Está gostando do conteúdo? Compartilhe

Facebook
WhatsApp
Telegram
Twitter
Email
Print